Bem Vindo, São Paulo

Publicações

De la Biomécanique à la Biologie Mécanogène
Gonarthrose
Temos a gonartrose do seu tipo de marcha; dois tipos de marcha caracterizam normalmente a máquina humana; portanto, dois tipos de gonartrose podem ser encontradas. A gonartrose interna sobrevém naqueles que caminham em dinâmica anterior do tronco.
A gonartrose externa é própria daqueles que caminham em dinâmica posterior do tronco.

Em referência a estes dados, o fisioterapeuta pode também, depois de ter normalizado as interlinhas articulares, regularizar o ritmo dos fluxos de forças que desencadeiam o tipo de gonartrose. A prevenção da gonartrose é, portanto, de grande eficácia.

Tratar a afecção com anti-inflamatórios não resolverá nunca o conflito da interlinha articular.

O tratamento é, então, necessariamente fisioterápico.
La Dynamique du Vivant
Este consagrado livro pode somente ser compreendido quando se conhece o fundamental do Conceito Sohier, permitindo diferenciar as estimulações dinâmicas coerentes das estimulações dinâmicas anômalas.
Estas estimulações dinâmicas asseguram diariamente aos nossos tecidos uma reconstrução celular correta ou não.

A análise biomecânica toma, desde então, uma outra orientação. A biomecânica não é, portanto, o estudo da Máquina Humana como referência das leis da física e da mecânica, estas leis não correspondem às leis da biologia, mas o estudo dos julgamentos que nossos diferentes tecidos fazem das forças que os solicitam.

O autor aplica aqui estas noções na coluna vertebral, nos ritmos deterioradores da trípode disco-vertebral, para seus ritmos estável e instável, nos estados patomecânicos, na sua correção e finalmente, nos tratamentos das diferentes patologias do empilhamento vertebral.
Marche pour La machine humaine
As descrições clássicas da marcha esquecem que, fundamentalmente, dois tipos de funcionamento sobrevêm conforme o desequilíbrio da verticalidade e da dinâmica do tronco: anterior ao eixo trans-coxofemoral ou posterior a este eixo.
Dois tipos de marchas existem e desencadeiam o tipo de entorse sacro-ilíaco, os tipos de coxartroses expulsiva ou penetrante. Esta análise permitiu ao autor descobrir que um reflexo postural gera especificamente os ritmos rotatórios dos quadris em referência à dinâmica anterior ou posterior do tronco. Ele chamou este reflexo de “trígono lombo-sacro-coxofemoral”. Esta é a noção fundamental. Sua engenharia biomecânica é que a normalidade dos ritmos do reflexo suprime todo componente de cisalhamento, ao nível das superfícies sacras e ilíacas.

As interlinhas sacro-ilíacas constituem, então, uma zona de estabilidade, zona de fibras neutras nas quais as forças presentes se anulam. Toda perturbação dos ritmos do trígono determina, ao contrário, a oposição das forças presentes. Elas determinam, desde então, graves perturbações: as afecções patomecanogênicas de componentes do trígono.
Justification fondamentale de réharmonisation
La Kinésithérapie Analytique de la Lombalgie
Esta pequena obra de 65 páginas é para viver sem dor nas costas e para explicar aos médicos e pacientes os modos de funcionamento da coluna vertebral. As vértebras derrapam banalmente ao nível de seus “trilhos posteriores”.
A função em “pinça descompressiva” é, então, perturbada. Sohier descreve este ritmo biomecânico essencial no curso do qual a vértebra desbloqueia seu disco, assegurando, assim, a estimulação biomecanogênica dos tecidos do estágio vertebral. Não existindo mais este ritmo, a distrofia dos tecidos orgânicos sobrevém.

As dores dos conflitos disco-radiculares, facetárias, capsulares, ligamentárias e musculares se somam. A cronologia dos cuidados exige, então, a correção analítica inicial dos quatro tipos de “facet syndrome”, pois que, sem posicionamento anatômico perfeito, não existe informação artroceptiva correta, de descontratura muscular, de gestão adequada de cada trípode disco-vertebral pelos músculos intrínsecos. A consequência disto será a dor nas costas. Ele ensina também como utilizar os ritmos estabilizadores do empilhamento vertebral.
Biologie Mecanogene
Este livro faz a síntese das aquisições trazidas pelo Conceito Analítico R. Sohier durante mais de 50 anos de pesquisa.
Da coluna vertebral, passando pelos sacro-ilíacos, pelas articulações periféricas, estas 500 noções fundamentais de biomecânica humana cercam este problema, a “necessidade celular”.

As afecções mecanogênicas são somente as consequências do não respeito a estas noções fundamentais. Toda articulação constitui uma “unidade biológica mecanogênica”, que, pela qualidade das estimulações desencadeadas pelo movimento articular, assegura e regula a troficidade de seus próprios tecidos.

A patomecânica é a anarquia do trofismo mecanogênico. Os apaixonados pela biomecânica humana acharão aqui as relações que unem o qualitativo mecanogênico e as anarquias tróficas que induzem às afecções patomecanogênicas. Este livro convida a pensar nos imensos campos de ações que nossas terapias rearmonizadoras têm o potencial de assegurar.
"Dités Ostéopathiques"
Kinésithérapie dês rachis scoliotiques
Um terceiro tomo intitulado Fisioterapia Analítica das Colunas Escolióticas, utiliza o modo de pensamento inicial da “pinça descompressiva” para estudar os fatores desviadores a partir dos estados patomecânicos instáveis do estágio vertebral.
As diversas descongruências que as articulações vertebrais apresentam, diminuem o potencial de estabilidade da coluna vertebral. O desvio raquidiano é induzido pela adaptação da coluna nos estados patomecânicos de certos estágios vertebrais.

É, portanto, pela correção seletiva dos estados patomecânicos que se faz necessário abordar analiticamente o tratamento das colunas escolióticas. Depois virão as condições de verticalização estudadas segundo os tipos de estática para que a recorrência desviatória não sobrevenha. Os exercícios corretivos estão descritos pela análise dos exercícios classicamente propostos pelos métodos diversos. Assim aparece seu engenho e, às vezes, também, seus erros.
Kinésithérapie analytique de la colonne vertébrale
Raymond Sohier determina toda a sua terapia raquidiana a partir da unidade biológica mecanogênica que é constituída pelo estágio vertebral (Sohier, 1958).
É a descoberta dos ritmos de descompressão do disco pela alavanca quando da extensão em duplo apoio facetário.

Esta noção fundamental gera estes dois livros. É este ritmo biomecânico que o autor qualificou de função em “pinça descompressiva” do estágio vertebral. Cada estágio vertebral assegurando seus ritmos estabilizadores da trípode pela qualidade de seus apoios facetários.

A estabilidade do estágio vertebral é, assim, diretamente proporcional à intensidade do duplo apoio posterior. Corrigir analiticamente o sistema facetário dos estágios em descongruência, tonificar seletivamente os músculos intrínsecos, depois reeducar o conjunto da estática, determina, desde então, nossas condutas terapêuticas. Os quatro tipos de estados patomecânicos que comportam “le facet syndrome”, os exames de objetivação dos estados patomecânicos do estágio vertebral, as técnicas analíticas de correção de rearmonização destas lesões, estão descritas, bem como os tratamentos analíticos específicos.
Kinésithérapie de l´épaule
O ombro não é uma enartrose livre. Ele funciona seguindo três “vias de passagem” específicas da grande tuberosidade umeral sob a abóbada acromio-ligamentária. Esta biomecânica original da articulação escápulo-umeral tornou-se, desde então, clássica.
Cada via de passagem é assegurada por uma programação motora automática, que determina os componentes específicos do deslizar da cabeça umeral.

É o controle da concentricidade dinâmica da articulação no curso dos movimentos, “a invariância articular”. Esta é controlada pelos músculos estabilizadores da articulação, os do manguito rotador. As forças geram as formas; a biomecânica do ombro, analisada a partir deste tipo de comportamento dinâmico da cabeça umeral, levou o autor a constatar a existência de três tipos de descentragens da cabeça umeral. A objetivação clínica destes três tipos de descentragem se efetua de maneira seletiva e significativa para cada plano do espaço, graças a um exame das “barreiras motrizes” da articulação.

O livro indica as técnicas analíticas, permitindo a correção seletiva das descentragens da cabeça umeral, bem como o tratamento diferencial das algodistrofias, das tendinites, das periartrites escapulo-umerais, das luxações e das fraturas.
Kinésithérapie de la hanche
img-publicacoes.png

Cursos


Calendário 2018

Próximos cursos
SP
Supervisão – São Paulo (Mar/2018)
Março de 2018 – Prático (04 horas)
PE
Revisão – Recife (2018)
Junho de 2018 | Teórico e Prático (32h)
PE
Formação Sohier – Recife – 2018
Início em 15 de agosto de 2018. Inscrições abertas.
RJ
Formação Sohier – Rio – 2018
Início em 05 de setembro de 2018. Inscrições abertas.

CONCEITO SOHIER | Fisioterapia Articular Analítica

© Copyright 2017 – Todos direitos reservados

São Paulo: Rua Antonio Batuíra, 393 
Praça Panamericana – Alto de Pinheiros 

Para agendamento de consultas

Telefone: (11) 3031-9382 – Alessandra, Agatha ou Roberta.

                 e-mail: cetemaltda@uol.com.br 


 

 

Atualizações

Acompanhe as novidades via Facebook, clicando no ícone abaixo, ou buscando por @CursosSohier

   

Galerias

Mais de 500 fisioterapeutas já se especializaram e praticam o conceito Sohier no Brasil.